Agora a queda da confiança do consumidor chegou forte ao varejo

Confiança x PMC

Durante os últimos dez anos o desempenho do varejo parecia imune (ou muito pouco afetado) pela confiança do consumidor. Episódios como o escândalo do mensalão em 2005 ou a crise de 2008 tinham pouco efeito no varejo. A confiança caia, mas as vendas continuavam. Marolinhas.

Agora parece que a coisa pegou mesmo. A partir do começo deste ano a confiança despencou e, com ela, as vendas do varejo. Acompanhe no gráfico acima como as coisas se complicam a partir de janeiro de 2014. A nuvem escura está sobre nossas cabeças. Quando os efeitos chegarem ao emprego, aí é que o varejo vai sentir mesmo.

Observações:
O quadro fica pior se considerarmos o varejo ampliado, que inclui automóveis e não está representado no gráfico.
Os dados de confiança são para a cidade de São Paulo somente, por falta de um dado nacional à mão agora.
A correlação do ICEA com a PMC é de 57% no período analisado.

Boas notícias para variar: Computadores no Brasil

Animadores os dados da produção de computadores no Brasil. Sairam hoje no Estadão e mostram como a produção de notebooks está se aproximando à de desktops. O mercado, principalmente diante da recessão mundial, é tão promissor que tem atraído novos competidores internacionais, como a tawainesa Asus.

Enquanto isso, o IBGE, na PNAD 2007, informa presença de computadores em 26,6% dos lares em 2007, contra os 22,1% em 2006. Outro número promissor e, bem, há que se ter alguma boa notícia, não?

Fontes: IT DATA/ABINEE OESP 21/3/2009 – pág. B16 e IBGE (Brasil em Síntese)

Cinco milhões de brasileiros moram sozinhos

De acordo com dados recentemente divulgados pelo IBGE, cinco milhões de brasileiros moram sozinhos. Enquanto 63% deles são da terceira idade, outros 22% têm entre 20 e 29 anos de idade. Uma boa parte desse grupo de consumidores tem faixa salarial entre 10 a 20 salários mínimos e nível superior de escolaridade.
Essas pessoas que moram sozinhas têm necessidades muito específicas e, para eles, conveniência é a palavra-chave. Facilidade no preparo de alimentos, porções individualizadas, serviços de entrega, horários flexíveis, personalização e, sobretudo, qualidade no atendimento, são pontos importantes para esse grupo de consumidores.
Apesar de cinco milhões de clientes representar um grande mercado a ser explorado, se pensarmos em nível Brasil, levando em conta a extensão territorial de nosso país, tal número de clientes pode ficar bastante disperso se distribuídos geograficamente. Dessa forma, negócios voltados exclusivamente para o segmento de consumidores que moram sós terão mais facilidade de sucesso se estiverem localizados em zonas densamente populadas, como é o caso das grandes cidades. Mesmo assim, será necessário levar em conta, do ponto de vista da microlocalização, os bairros onde esses consumidores mais se concentram. No caso da cidade de São Paulo minhas grandes apostas são: Moema, Higienópolis, Bela Vista e Jardins. Se alguém tiver os dados para confirmar ou refutar minha hipótese, sou todo ouvidos. É isso por hoje.

Fontes: Sonia Racy – TAM Magazine – Ano 4. nr. 44 – Out/2007 – pág. 72

Novos lares e novas famílias

De acordo com a Síntese dos Indicadores Sociais brasileiros preparada pelo IBGE e divulgada ontem pela Folha, mulheres sem cônjuge e com filhos representam 18,1% dos lares brasileiros. A pesquisa ainda aponta que cerca de 10% dos lares é ocupado por uma pessoa somente e que o modelo de lar tradicional, com pai, mãe e filhos morando sob o mesmo teto, representa 49,4% no total de arranjos das famílias brasileiras.

Quem quiser atender essas famílias modernas e diferenciadas, deve se esforçar por oferecer conveniência e facilidade de compras. Com certeza a vida dessas pessoas anda corrida.

Fonte: IBGE/FSP 29.09.2007

A pirâmide populacional vai virar um quadrado!

O envelhecimento da população brasileira, inclusive já tratado nesse blog há algum tempo atrás, não é propriamente uma grande novidade. Mesmo assim, nada como o auxílio de recursos visuais para perceber como essa modificação trará efeitos dramáticos na composição etária de nossa população. Observe nos gráficos abaixo como em 2050 nossa pirâmide etária populacional já terá se transformado em um “quadrado”. No site do IBGE você poderá obter essas imagens com maior definição.

Você sabia que…

Fazemos uma imagem às vezes negativa demais do Brasil. Consultando os resultados da última PNAD (2005), alguns números me surpreenderam. Positivamente.

  • O Brasil tem mais de 53 milhões de domicílios
  • 97,2% têm energia elétrica
  • Há telefones em 71,6% deles
  • Televisores estão presentes em 91,4% dos lares
  • Geladeiras em 88% dessas casas
  • Há microcomputadores em 18,6% delas
  • 88,7% desses são casas; só 10,9 de apartamentos
  • 73,5% são imóveis próprios

Sim, temos muito a melhorar, mas um pouco de boas notícias de vez em quando não faz mal a ninguém.

Bom carnaval!

Fonte: IBGE