Mobile Shopping: o poder nas mãos do consumidor

De acordo com uma pesquisa realizada pela Nielsen no 1 º trimestre de 2012, a grande maioria (79%) dos proprietários smartphones e tablet nos EUA  têm usado os seus dispositivos móveis para fazer atividades relacionadas a compras . Smartphones são usados ​​com mais freqüência do que os tablets para as atividades realizadas enquanto os consumidores se deslocam, o que é de se esperar. Veja a seguir alguns dados da pesquisa.

  • Localizar uma loja: 73% dos proprietários de smartphones vs 42% dos proprietários de tablets
  • Acessar lista de compras: 42% dos proprietários de smartphones vs 16% dos proprietários de tablets
  • Resgatar um cupom virtual: 36% dos proprietários de smartphones vs 11% dos proprietários de tablets
  • Compras online: 29% dos proprietários de smartphones vs 42% dos proprietários de tablets

Uma das atividades mais populares entre os proprietários de smartphones e proprietários tablet é “pesquisar um item antes de compra” (66% para os proprietários de tablets contra 57% para os proprietários de smartphones). Comparativamente poucos compradores móveis usaram seus aparelhos para pagamentos (27% dos proprietários de smartphones e 28% dos proprietários de tablets), mas esse número deverá aumentar nos próximos anos, visto que sistemas de pagamento mais móveis estão para serem lançados em todo o país, deixando os consumidores norte-americanos mais confortáveis com a ideia de pagamentos móveis.

Veja a matéria na íntegra em http://blog.nielsen.com/nielsenwire/online_mobile/how-us-smartphone-and-tablet-owners-use-their-devices-for-shopping/

Boas notícias para variar: Computadores no Brasil

Animadores os dados da produção de computadores no Brasil. Sairam hoje no Estadão e mostram como a produção de notebooks está se aproximando à de desktops. O mercado, principalmente diante da recessão mundial, é tão promissor que tem atraído novos competidores internacionais, como a tawainesa Asus.

Enquanto isso, o IBGE, na PNAD 2007, informa presença de computadores em 26,6% dos lares em 2007, contra os 22,1% em 2006. Outro número promissor e, bem, há que se ter alguma boa notícia, não?

Fontes: IT DATA/ABINEE OESP 21/3/2009 – pág. B16 e IBGE (Brasil em Síntese)