Bolsa Família vira eletrodoméstico

Três entrevistas importantes movimentaram meu dia hoje. A primeira foi para a CBN Rio, a segunda para a CBN São Paulo (ao vivo) e outra por telefone pela produtora do noticiário da TV Globo. Nessas entrevistas comentei dados recentes divulgados pelo IBGE que tratavam do impacto do programa governamental Bolsa Família na vida dos brasileiros menos afortunados. Vejamos alguns desses dados, direto do material preparado pelo IBGE, recebidos da CBN:

***De 2004 a 2006, o percentual de domicílios onde pelo menos um morador recebia dinheiro de programa social do governo passou de 15,6% para 18,3% em todo o país. Assim, em 2006, do total estimado de 54,7 milhões de domicílios particulares no país, em cerca de 10 milhões (18,3%) houve recebimento de dinheiro de programas sociais, sendo que a maior parte (8,1 milhões de domicílios) recebia rendimento do programa Bolsa Família. Os maiores percentuais de domicílios com recebimento de programas sociais foram observados em Roraima (50,0%), Maranhão (41,3%) e Piauí (40,2%).

***No país, em 2006, do total de domicílios sem rendimentos e com rendimento domiciliar per capita inferior a ¼ de salário mínimo, houve recebimento de dinheiro de programa social em 54,3% deles. No Nordeste, esse percentual foi de 64,2%, seguido pela região Norte (46,0%).

***De 2004 a 2006, a pesquisa mostrou também que houve melhoria em relação a posse de bens duráveis nos domicílios de uma forma geral. Nesse período, o percentual de domicílios onde houve recebimento de programa social com geladeira, passou de 72,1% para 76,6%, com máquina de lavar roupa, de 7,6% para 10,2%, com rádio, de 81,7% para 81,6%, com TV, de 82,5% para 87,9%, e microcomputador de 1,4% para 3,1%.

***E o dado mais polêmico: de 2004 a 2006, o percentual de crianças fora da escola em domicílios que recebiam ajuda governamental reduziu-se SOMENTE de 8,0% para 7,3%.
Como é que o pessoal que recebe ajuda, ao invés de colocar a criança na escola, prefere comprar eletro-eletrônicos? Esse era o questionamento dos repórteres. Para responder, vamos por partes, como faria Jack .

No período coberto pela pesquisa, tivemos um reforço muito grande no contingente de consumidores pertencentes à classe C. Cerca de 20 milhões de pessoas foram a ela incorporados a ponto de, hoje, esse grupo perfazer 82 milhões de pessoas. Dos 20 milhões que ascenderem a essa classe, 12 milhões vieram das classes D e E, típicas candidatas aos programas distributivos do governo. E o que isso tem a ver com o Bolsa Família? Caro leitor, a classe social é calculada pela posse de bens. Quanto mais geladeiras, televisores, carros banheiros, rádios, máquinas de lavar, vídeo-cassetes ou DVDs a pessoa tiver, mais perto da classe A estará. Isso quer dizer que as pessoas, nos últimos anos, COMPRARAM muitos desses bens, particularmentes esses consumidores das classes D e E, o que fez com que “subissem” de classe social.

Mas, como conseguiram comprar? Uma primeira resposta seria que, ao contrário do que muitos imaginam, há poucos brasileiros passando fome. Uma pesquisa do IBGE, publicada em 2004, reporta que somente 2,6% dos brasileiros está com déficit de peso (subnutrido), ao passo que 41% está é com sobrepeso. Estamos mais para um país de gordinhos do que para uma terra de magricelas famintos. Bem, já que não passo fome, posso usar a renda extra, proveniente do auxílio do governo ou do novo emprego que consegui (houve significativo aumento do emprego na faixa mais pobre da população), para a satisfação de desejos antes represados. E não foram só os eletro-eletrônicos os beneficiados por esse movimento. Vendedores de alimentos de “luxo”, como chocolates e iogurtes andam rindo à toa ultimamente.

Outra possível explicação seria a facilidade do crédito. Tivemos aumento no número de prestações, redução dos juros e abundância de recursos para crédito em geral, inclusive ao consumidor. Apareceram os empréstimos consignados, principalmente ao rendimento do aposentado. Risco baixo e abundância de recursos fizeram esse tipo de financiamento explodir. Oras, se não estou com fome e o crédito está tão abundante, vou satisfazer meus desejos de consumo, mesmo que a custa de endividamento. Com ou sem bolsa-família, apostaria que isso aconteceu.

É isso. Ouça as entrevistas. Gostei bastante. Boa sorte e bom final de semana.

Obrigado por seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s